Rosangela_Aliberti

"Se a Arte tocar em algum ponto do homem é sinal que alcançou seu objetivo" (r_a)

Áudios

BAILE DE MÁSCARAS
Data: 29/03/2007
Créditos:
na voz da autora.


BAILE DE MÁSCARAS

Uma parte da memória é sofrido, Fado
dói como uva verde partida entre os dentes

Uma parte da memória tem semblante e contornos
está no ranger dos móveis e no dissabor súbito das lágrimas

Uma parte da memória chora ausência de um você
quando a chuva toca na pele, fogem alguns vocábulos (?)

Uma parte da memória é muda e Inviolável
não sei como às vezes não enlouqueço...!

Uma parte da memória acena um lenço
no solo da perseverança e no osso da inconstância

Uma parte da memória esbarra em meio... ao Quase
no interior da boca do vento querendo Paz

Uma parte da memória cava e escava
naus e couraças de luzes apagadas

Uma parte da memória afia as unhas em silêncio
contra muralhas fragmentando versos loucos

Uma parte da memória bate nas mesmas páginas
recordando que minh' alma cansada não deve nada

Uma parte da memória são pegadas na areia
escuto os cascos dos galopes nas praias

Uma parte da memória se confunde na pulsação
escondendo-se de um anjo e da palavra Amor

Uma parte da memória baila por trás das máscaras
da Aurora ao nascer das estrelas sem aplausos nem teatro

Um parte da memória caminha nas horas dos ponteiros
em um reacender poético indispensável dentro de Nós 

Uma boa parte desta história, é pingo d'água...

Rosangela_Aliberti
São Paulo, 29.III.07 
Foto Mark Freedom










 
Enviado por Rosangela Aliberti em 29/03/2007



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras