Rosangela_Aliberti

"Se a Arte tocar em algum ponto do homem é sinal que alcançou seu objetivo" (r_a)

Textos


(...) uma flor morta não é uma flor morta. (...)
José Félix

 *

[Mentirinhas brancas de seres afins]

Diante das constantes aberturas
noturnas da lótus,
de vez em quando
surpreendo-me com o lilás
beijando o jardim... Allah!
como se a brisa ou o vento
ouriçasse os pêlos...
o que contém suavidade...?

(o pólen da primavera, talvez...
pétalas de plantas
diuturnamente
descansam no amarelo claro)

Por que em todos os cantos
poetas
desfilam punhados de buquês?
como se todas folhas nas mãos
envolvessem flores
que contivessem alguma seda
...como se desfalecessem na beira da praia
e dos olhos silenciosos
pestanejassem
borboletas nos ombros:
na parede de tijolos aparente
existe apenas o rubro das rosas?!

misturam-se
anjos com caras pretas & serafins
enquanto uma nuvem ligeira
ou outra se desfaz
nas janelas dos corações...
troco idéias ultrapassadas
sem tirar nem pôr
riscando absolutamente o
N A D A

Lembro-me que me disseram
que tulipas brancas não existem...
hoje em dia, vejo que tudo faz parte
de-um-não-saber
por mais escuro
que algum exercício se apresente
nem toda mentira é falha.

Rosangela_Aliberti
São Paulo, 18.XI.08

(Galeria de Ana de Castro
– Flickr)


 

Rosangela Aliberti
Enviado por Rosangela Aliberti em 18/11/2008
Alterado em 25/12/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras