Rosangela_Aliberti

"Se a Arte tocar em algum ponto do homem é sinal que alcançou seu objetivo" (r_a)

Textos


[Quase morto... um zumbi] 

Foi o eu lírico
que passou a caneta
em frases
assassinando a
crítica que maltrata
miseráveis
vociferando amor
para ver o quase
ódio se escafeder

Foi o eu lírico
que acordou
o que muito de
perto suicidaria
que deu o troco
no corruptível
exorcizando as teias
do velho confronto
no rabo de deus

Foi o eu lírico
que apagou a luz
das trevas
descabelando
demônios sacanas
até que fechassem
os olhos na madeira
no cimento e na lama
a sete palmos... ali

Foi o eu lírico
que pintou de negro
o sangue na cidade
com o lado avesso
dos anjos que mal sabem
que o excesso de pulhas
fofocas e escroques
nutri e sorri
nutri e sorri

Foi o eu lírico
medicinal
no matei ou não matei
coisa e tal
que deram asas
a cobra criando
alma... nas brumas
na beira do escrevi
e fingi... sobrevivi.

Rosangela_Aliberti
Atibaia, 14 de março de 2010

(Foto: Hemerson Brandão)

Rosangela Aliberti
Enviado por Rosangela Aliberti em 16/03/2010
Alterado em 19/03/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras