Rosangela_Aliberti

"Se a Arte tocar em algum ponto do homem é sinal que alcançou seu objetivo" (r_a)

Textos


[Quase morto... um zumbi] 

Foi o eu lírico
que passou a caneta
em frases
assassinando a
crítica que maltrata
miseráveis
vociferando amor
para ver o quase
ódio se escafeder

Foi o eu lírico
que acordou
o que muito de
perto suicidaria
que deu o troco
no corruptível
exorcizando as teias
do velho confronto
no rabo de deus

Foi o eu lírico
que apagou a luz
das trevas
descabelando
demônios sacanas
até que fechassem
os olhos na madeira
no cimento e na lama
a sete palmos... ali

Foi o eu lírico
que pintou de negro
o sangue na cidade
com o lado avesso
dos anjos que mal sabem
que o excesso de pulhas
fofocas e escroques
nutri e sorri
nutri e sorri

Foi o eu lírico
medicinal
no matei ou não matei
coisa e tal
que deram asas
a cobra criando
alma... nas brumas
na beira do escrevi
e fingi... sobrevivi.

Rosangela_Aliberti
Atibaia, 14 de março de 2010

(Foto: Hemerson Brandão)

Rosangela Aliberti
Enviado por Rosangela Aliberti em 16/03/2010
Alterado em 19/03/2010


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras