Rosangela_Aliberti

"Se a Arte tocar em algum ponto do homem é sinal que alcançou seu objetivo" (r_a)

Textos


Poeminha no criado-mudo

I
 
Nas linhas sem luz
tua língua é a cruz
da desesperança
nos olhos há fome
nos pensamentos
uma roda quebrada
teu hálito é sutil
pronto para dar
a pegada

mas tem mais entradas
nem lembranças
 
na porta de casa
se esbarra em lascas
de farpas...
nas entrelinhas
sem medo
sou tua lixa na estaca
acerto sempre
na mosca
tenho a sorte
de pegar o pedaço
de osso do peito

que me avisa que
nada se pode contra vamps
silencio teus marfins
desvio da frieza da miséria
dos sugadores
nunca ficarei muda

nem cheia de dedos.
 
II 
 
Na beirada do tempo
pulsava um órgão
encaixado no esterno
que idolatrava
somente a superfície
quando a lua de mel acabou
o ritmo do narciso
ecoou
e o que era para renascer
no belo
desfaleceu sem azular
sem elo
 
no silêncio da revoada
das notas sujas
só desamor
 
Rosangela_Aliberti
Atibaia, 29 de abril de 2010

(art by Chagall)

 
Rosangela Aliberti
Enviado por Rosangela Aliberti em 29/04/2010
Alterado em 02/10/2014


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras