Rosangela_Aliberti

"Se a Arte tocar em algum ponto do homem é sinal que alcançou seu objetivo" (r_a)

Textos


Apis mellifera



Se libertou de uma das colônias

dando devido valor às outras operárias

e às outras rainhas apis indígenas,

de tudo teve um pouco

de tudo visualizou um pouco

sem se perder no meio do rol da High Society

ajudou a recriar crias

podendo até ter sido confundida...

'enfermeira' voluntária

acudiu os dois flancos

entre a Cruz Vermelha

dos judeus e alemães

no meio da guerra: foi Brilhante*

nos desvios...!

recarregava as cores das almas

negras e vermelhas



Seus tons de cor preferidos?

o rubro e o lilás

apesar de ter nascido

em berço vermelho azul e branco

escondia bem o ouro

para a defesa do ninho



Ao se naturalizar no verde-amarelo

seu maior inimigo

foi a tristeza

de quem não (re)conhece

o Valor de todas as Terras

se alegrava ao ver as flores

a sua volta Verdadeiras Fontes de Geléia Real

que pelas escopas transportam muito polén!

(re)criadoras de mel

amiga dos pinheiros

e das laranjeiras,

espantava parasitas do ninho



No meio das visitas transferia o que tinha melhor...

trazendo seu estado de Espírito à Colméia

de algum modo sua voz visitava as flores

e as flores a visitavam

...na presença das outras abelhas

que transferiam pólen

de uma flor para outra

de uma flor para outra

de uma flor para outra:

- Onde estariam os pés de guaranás

sem nós?

O que seria da seda

que vem do bicho

que alimenta as amoreiras?



Abelha sem ferrão

suas chamadas de atenção

foram dadas com a Força

de quem soube ler os olhos de Jorge Amado

de quem ouvia na voz de Bethânia

a vulga 'Musa sapientum' na Terra Brasilis

a hora exata de identificar

as pausas de uma das maiores canções

de Jacques Brel

ao sentir a dor no coração da cantora Maysa



Falece uma senhora

'segunda mãe' de muitas e amiga

L'abeille é A abelha

a única que soube

muito bem carregar

o nome de Madame

entre saraivas

com o cognome

Saraiva



Stuttgart, 24.02.03
art by Bonni Reid


Dedicado: A minha Madrinha,
Gabrielle Grossé Saraiva
(esposa do Dr. Gastão Grossé Saraiva)



Nota*:

Se algum pássaro durante
o vôo nupcial,
matar a rainha sua colméia de origem
ficará irremediavelmente fadada à extinção. 

"Existe mágica na passagem do dia para a noite...
Assim como as cores que se desfazem no crepúsculo,
trazendo esperança para um amanhã radiante.
Você tem dentro de si mesmo energia para VENCER..."
(Lynne Gerard)




Rosangela Aliberti
Enviado por Rosangela Aliberti em 19/11/2005
Alterado em 18/08/2009


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras